Bem-vindo ao fórum das grandes máquinas.Boas transalpadas!

Jurassic motorcycle trip...

Compartilhe
avatar
Rui Faria
1ª engrenada
1ª engrenada

Número de Mensagens : 169
Masculino
Idade : 55
Data de inscrição : 25/04/2012

A Mota
Marca Mota: Honda
Modelo Mota/ano: XL 600 V 1996
Kms: 20 mil

Jurassic motorcycle trip...

Mensagem  Rui Faria em Sab 05 Maio 2012, 13:15

Gostava de dar a conhecer algo mais do meu percurso motociclista. Por isso tomo a liberdade de postar aqui uma viagem antiga:

Férias em Forvel 125 1983

Na segunda quinzena de Agosto de 1983 eu e o meu amigo João decidimos fazer umas férias de moto até um destino que preenchia o nosso imaginário, São Pedro de Moel. Como ele tinha uma “pequena” Casal de 2v decidimos ir ambos na minha “enorme” Forvel 125 com motor Hodaka a 2 tempos. Eu na altura ainda fumava e deu-me para comprar este charuto. A moto tinha custado 80 contos nova (400 euros para os mais novos) e era feia q.b. Eu tirei-lhe logo uns autocolantes que trazia e, quando juntei mais algum dinheiro, pintei os guarda-lamas à cor e lá ficou mais apresentávelzita. Tinha vontade própria e sabia que eu não morria de amores por ela e que só a comprara porque a guita não dava para mais. Então, ressentida, pregava-me umas partidas. Ora aproveitando aselhice ou distracção minha, ora por ter pneus de “plástico”, ou por lhe ter posto um descanso lateral soldado ao quadro e que engatava nas guias, a descer passeios, ou por ter problemas de embraiagem, enfim…volta e meia, mandava-me ao soalho. Eu comparava-a a um cavalo manhoso, chateava-se e aqui vai. O problema com a embraiagem era este: Ao fazer ponto de embraiagem ela patinava e agarrava logo de seguida, como quem faz kits, mas só e quando lhe dava na veneta. Acho que lhe dava um certo gozo pôr-me a apanhar bonés: patinava, esperava que o motor subisse de regime e agarrava, voltava a patinar e voltava a agarrar. Estão a ver a cena, a roda da frente com vontade própria, aos saltos. Isto acontecia em qualquer altura mas mais quando o motor estava bem quente. Uma vez, a sair do Liceu de Gaia onde estudava à noite, quis armar aos cucos com um arranque à Fangio, ela fez a “habilidadezinha” dela. Grande cavalada sem eu contar, desviou-se da trajectória e só parei nas grades do liceu para gáudio de todos (e todas) os que assistiam…

Bem… no dia combinado lá fui ter a casa do João para amarrarmos as trouxas e partir para férias. Quando a moto estava já prontinha começou a chover para benzer a viagem, pelo que decidimos arrancar apenas quando parasse. Primeiro porque não tínhamos morto ninguém, segundo porque não tínhamos ninguém à espera, terceiro porque simplesmente não tínhamos fatos de chuva. Além disso fato de chuva era coisa de velhote ou de cócó, que eu me recusava a usar. Choveu toda a manhã e toda a santa manhã esperámos. Lá arrancámos após o almoço. Fomos pela estrada nacional 1, não para fugir às portagens mas, porque aquilo que veio a ser conhecida por A1 começava no Porto acabava nos Carvalhos de onde nós saímos. O resto estava ainda em construção.
À saída da Branca, apanhámos um susto tremendo. De repente ouve-se aquilo que parecia um estouro porque o silenciador do escape tinha saído disparado. Era um escape horrível, cromado, a fazer lembrar os antigos “rabo de peixe” mas a alargar para a extremidade e bojudo. Sem a panela silenciadora transformava-se num megafone. A moto ao ralenti parecia uma metralhadora pesada a disparar. Parámos. A panela jazia uns 30 metros antes e foi fácil de localizar mas a “porca da fêmea” que ao soltar-se, dera o sinal de partida ao silenciador, deu-nos uma tanga... Quando eu já estava a começar a flipar lá apareceu.



(Reparem na qualidade do top case e do saco depósito feitos à medida para este modelo).


No devido lugar, continuamos até Leiria onde parámos para um cigarro e retomámos o resto da viagem



(reparem nos veículos que me rodeavam ainda muito actuais na altura)

pela Marinha Grande até São Pedro de Moel. Instalámo-nos no parque de campismo.



Como tínhamos sido escuteiros, tínhamos aprendido, à custa de alguns petiscos intragáveis e muita ráfia a confeccionar as nossas próprias refeições.



Para nossa admiração, S. Pedro de Moel, à noite, era uma pasmaceira e por isso a meio do dia seguinte decidimos ir para a Nazaré e ficar no Orbitur. Chegámos do meio para o fim da tarde. Fizemos o check in e lá fomos devagarinho na moto à procura de uma zona que tivesse miúdas, debaixo do olhar atento de alguns estrangeiros. Tudo malta nova. Fui lá abaixo dar a volta e toca a fazer ponto de embraiagem para subir. A moto lá devia estar cansada ou o que foi e brindou toda a plateia com uns pinotes da roda a frente. Boa disposição geral e bom tema de conversa porque ninguém estava a perceber porque raio estava eu a fazer aquelas piruetas. Deixei a moto lá quietinha, tirámos a bagagem, montámos a tenda e fui buscá-la mais tarde quando estava mais “calma”.



O parque tinha pouca gente e na zona onde decidimos ficar estavam quatro francesas e um motard belga que era barman e viajava pela Europa numa Honda CB 400 dourada. Uma das francesas era muito espaçosa, outra estava a ser o alvo das atenções do belga e as outras duas eram muito amigas, demasiado amigas, mas eram todos impecáveis.





(A aprender a comer tremoços...)



Passámos uma semana muito divertida. No regresso, perto de Pombal, fomos alcançados pelo belga que seguia também em direcção ao Norte. Parámos para tomar um café e como ele não tinha destino obrigatório ficou decidido que então ficaria em minha casa dois dias antes de seguir para a Bélgica.
A sua moto tinha a grade traseira partida, e um aloquete em U inutilizado por ter perdido a chave. Levei-o a um mecânico amigo que lhe soldou a grade por tuta-e-meia e fui com ele à rua dos Caldeireiros, ao Porto, para que, com uma chave mestra, lhe fosse feita uma nova chave para o cadeado. Achou tudo baratíssimo.
Como era barman, demos-lhe a provar bagaço de vinho verde caseiro. As aguardentes do centro da Europa embora tenham um cheiro intenso têm um paladar suave enquanto que o bagaço, especialmente o de vinho verde, dissimula, por detrás daquele cheirinho adocicado, toda a pólvora que contém. Le Belge, como lhe chamávamos pois nunca soubemos o seu nome, meteu o seu nariz de expert no balão e acenou com a cabeça num misto de surpresa e aprovação. Então, sorveu um gole demasiado grande e pensávamos que morria. Quando os vapores do bagaço lhe chegaram à goela desatou a tossir, ficou transfigurado, os olhos raiados de sangue e banhados em lágrimas, sem conseguir falar e quando o conseguiu fazer disse: “Ça c’est fort, ahn?” com voz de falsete. Baptizou a bebida com o nome de Hot Stuff e como fazia questão de comprar algum, e daquele não havia à venda, uma amiga minha ofereceu-lhe uma garrafa para levar para a Bélgica. Estava morto por praxar os amigos. No dia seguinte Le Belge, depois de quase de 2 horas para conseguir pôr a moto a trabalhar lá partiu com o seu Hot Stuff. Passados 10 dias acabaram-se as minhas férias e entrei para o serviço militar. Devo ter ganho gosto pelas férias em moto e no ano seguinte fiz uma viagem a Andorra que vos posso contar, se tiverem pachorra...

Um abraço


Última edição por Rui Faria em Dom 06 Maio 2012, 08:46, editado 1 vez(es)


=================================================================================================================

Cartão de Emergência do Motociclista

com4riding.blogspot.com
avatar
DRAKER
5ª a Fundo
5ª a Fundo

Número de Mensagens : 1245
Masculino
Idade : 42
Data de inscrição : 04/09/2011

A Mota
Marca Mota: Honda
Modelo Mota/ano: Varadero 2000
Kms: 24000

Re: Jurassic motorcycle trip...

Mensagem  DRAKER em Sab 05 Maio 2012, 23:28


Rui,
Excelente cronica!
Isso sim eram ferias...
Sao esses momentos, que nos marcam para toda a vida.


p.s:
Venha a proxia
avatar
RhinnoTTEam
1ª engrenada
1ª engrenada

Número de Mensagens : 107
Masculino
Idade : 44
Data de inscrição : 25/09/2011

A Mota
Marca Mota: Honda
Modelo Mota/ano: xl650v transalp rd11 / 2006
Kms: 57635

Re: Jurassic motorcycle trip...

Mensagem  RhinnoTTEam em Dom 06 Maio 2012, 23:51

Muito bom
pode vir a continuação.


=================================================================================================================

Saudações Motard's
José Ferreira


avatar
Jardel
3ª engrenada
3ª engrenada

Número de Mensagens : 360
Masculino
Idade : 40
Data de inscrição : 08/03/2010

A Mota
Marca Mota: Honda
Modelo Mota/ano: TA700/2009
Kms: 43000

Re: Jurassic motorcycle trip...

Mensagem  Jardel em Seg 07 Maio 2012, 09:04

Excelente...

belos tempos esses... eu ainda era miúdo, mas tenho quase a certeza que com menos fazíamos e gozávamos melhor a vida, embora de uma outra maneira.
avatar
cmca
5ª a Fundo
5ª a Fundo

Número de Mensagens : 664
Masculino
Idade : 47
Data de inscrição : 08/06/2010

A Mota
Marca Mota: Honda
Modelo Mota/ano: XL650V - 2007
Kms: 40.000

Re: Jurassic motorcycle trip...

Mensagem  cmca em Seg 07 Maio 2012, 09:28

Mesmo muito bom!

Faz lembrar em como à uns anos as viagem eram quase uma odisseia...!!

Ficamos à espera do resto.

Abraço


=================================================================================================================

http://www.forumtransalp.com/t3441-galiza-2011
avatar
dijm
5ª a Fundo
5ª a Fundo

Número de Mensagens : 927
Masculino
Idade : 38
Data de inscrição : 28/11/2010

A Mota
Marca Mota: Honda
Modelo Mota/ano: TA 6 centos
Kms: alguns mils

Re: Jurassic motorcycle trip...

Mensagem  dijm em Seg 07 Maio 2012, 10:34

E a TA estava onde... o bichinho das 2 rodas andava ali, muito bom, eu ainda tenho uma 50cc da época delas, o furor que era andar a zig zaguear nas autorutes ou melhor das scuts de graça, bons tempos apesar de eu ja ter conhecido esse tempo quase no términus(quando ia á missa o parque era repleto de motas e no final ninguém falava até os maquinões sairem- as flautas e os escapes por vezes andavam a "limpar" ou a mostrar a raiva das fameless, sachs e outras).
Parabéns pela recordação e obrigado pela partilha da vivência pessoal.
Cumprimentos
avatar
TrAnsAlper
Admin
Admin

Número de Mensagens : 8269
Masculino
Idade : 44
Data de inscrição : 11/09/2007

A Mota
Marca Mota: Honda
Modelo Mota/ano: Ex-TrAnsAlp XL 650 V
Kms: 63.000

Re: Jurassic motorcycle trip...

Mensagem  TrAnsAlper em Seg 07 Maio 2012, 10:36

cmca escreveu:Mesmo muito bom!

Faz lembrar em como à uns anos as viagem eram quase uma odisseia...!!

Ficamos à espera do resto.

Abraço

Odisseia mesmo! Esta palavra diz tudo...

Gostei imenso desta crónica.Uma pérola!

Obrigado pela partilha.



Um abraço e boas transalpadas.


=================================================================================================================

   Ondavis-Viseu
"Não sei para onde vou mas estou a caminho!"
avatar
Asterix
1ª engrenada
1ª engrenada

Número de Mensagens : 132
Masculino
Idade : 40
Data de inscrição : 08/09/2011

A Mota
Marca Mota: Honda
Modelo Mota/ano: XL600V/1994
Kms: 37500 e a somar

Re: Jurassic motorcycle trip...

Mensagem  Asterix em Seg 07 Maio 2012, 22:22

Fantástica crónica. É uma viagem no tempo.

Venham mais!


Conteúdo patrocinado

Re: Jurassic motorcycle trip...

Mensagem  Conteúdo patrocinado


    Data/hora atual: Sab 18 Nov 2017, 23:31