Bem-vindo ao fórum das grandes máquinas.Boas transalpadas! - TransMondego 2017 - 29 e 30 julho - Vais faltar?

Andorra Agosto 1984

Compartilhe
avatar
Rui Faria
1ª engrenada
1ª engrenada

Número de Mensagens : 169
Masculino
Idade : 54
Data de inscrição : 25/04/2012

A Mota
Marca Mota: Honda
Modelo Mota/ano: XL 600 V 1996
Kms: 20 mil

Andorra Agosto 1984

Mensagem  Rui Faria em Seg 07 Maio 2012, 22:04

Esta é a última que tenho destes anos. Vendi esta Suzuki depois desta viagem e estive 15 anos sem moto...

1º Dia Anadia - Valladolid

Em Agosto de 1984 (parece que foi ontem), decidi acompanhar um grande amigo de Anadia, em plenas férias do serviço militar de ambos, a Andorra em moto.
Este amigo tem um stand de motos e queria ir a Andorra, para além do passeio, para procurar peças para restaurar uma, já neo-clássica na altura, Suzuki GT 250.
Como ele tinha aptidões mecânicas o plano era simples: Comprava as peças muito mais baratas, montava-as lá e vinha com a moto já restaurada de mecânica.
Fui dormir a casa dele para que saíssemos cedo. Como fomos para os copos nessa noite, acordar cedo, foi mentira. Acordámos às 10horas e ele na 250 e eu na minha saudosa Suzuki ER 125 Azul arrancámos virados a Andorra. A coisa prometia.



Como não havia qualquer IP nem Auto-estradas lá seguimos pelo Luso, Santa Comba, Viseu, Mangualde, Celorico da Beira, Porto da Carne, Guarda, Vilar Formoso e Ciudad Rodrigo onde comemos as duas rações de combate que trouxéramos da "guerra". Estava um calor infernal. Decidimos mais à frente poupar as nossas montadas que, por serem arrefecidas a ar aqueciam bastante e, a partir daí, rolar quando estivesse mais fresco. Parámos para refrescar e descansar em frente a uma “quinta” com uns cedros sombrios e muros altos em pedra. Ali também estava parado um pequeno camião, transformado em auto-caravana com um contentor/escritório (vêem-se agora à porta dos prédios em construção), que não pegava. Solicitados, puxamos pela nossa solidariedade motard e toca a empurrar. Por isso fomos presenteados com uma deliciosa melancia pelo simpático casal espanhol. Enquanto empurrávamos passamos pela porta da “quinta” que afinal se revelou um cemitério pelo que comemos a melancia e ala para Valladolid onde dormiríamos. Longe vá o agoiro.
Chegamos tarde ao parque de campismo pagamos 600 pesetas para dormir umas horas. Montada a tenda, quase meia-noite, ao fundo as mochilas, capacetes em cima. Por volta das cinco da manhã o capacete do meu amigo aterra-lhe em cima da cabeça. Susto do caraças. Acordados, decidimos sair pela fresca.
Segundo dia Valladolid - Lerida

Ainda de noite, lembro-me de termos tido que parar à saída de Peñafiel (vi agora no mapa que seria este o nome, pelo trajecto que fizemos) para limparmos as viseiras de uma nuvem de mosquitos que acabáramos de “atropelar” numa zona de contentores de lixo. O pequeno-almoço foi em Aranda de Duero numa estação de serviço. Ao balcão, o empregado do cafezito aproximou-se e ficou à espera que pedíssemos. Não me apercebi. Zonzo de sono e absorto nos meus pensamentos (em português), olhava atentamente para o escaparate dos bolos quando o cotovelo do meu companheiro de viagem me chamou à terra e eu pedi:
-Uma meia de leite e um bolo “daqueles” por favor, apontando, ao que o empregado disparou com má cara: “Que quiere usted?” Lá tive que reformular o pedido em Portanhol.



Quando o calor já era suportável rolávamos duas horas e parávamos uma para arrefecer as motos. Nas horas de maior calor parávamos. Eu tinha o “rabo” como os bebés quando andam muito tempo com a fralda molhada e os lábios em sangue de tão secos. Chegámos a Zaragoza e um relógio com termómetro, numa rotunda, marcava 19h30m e 37ºC. Estranhamente, a minha Suzuki, afinada para gasolina normal de 85 octanas, (ainda se lembram ou sou eu que já sou muito cota?) não passava dos 100 kms/h com a 95 octanas espanhola, quando aqui dava 115-120 kms/h. O meu companheiro de viagem decidiu então aumentar-lhe o débito do auto-lube para compensar a falta do chumbo que a 95 tinha. Como o “tusto” era pouco nunca entrávamos em auto-estradas. Entretanto procurávamos o melhor caminho para atravessar Zaragoza saindo na nacional, enquanto tudo nos apontava a auto-estrada. Após duas tentativas falhadas parei junto de uma berma bem funda provocada pelas sucessivas camadas de alcatrão sobrepostas e lá, enquanto discutíamos a estratégia para sairmos dali, deixei que a moto se inclinasse para o lado fundo e fui ao chão com a moto. O meu camarada já se estava a passar e eu para desanuviar o clima atirei: Oh pá, deixa coisar o cão que a cadela não é nossa.



Chegamos a Lérida já bem tarde e dormimos numa esteira ao relento nas traseiras de uma estação de serviço para poupar no parque.



Terceiro dia Lérida – Andorra La Vella



Esta parte da viagem é de facto um sonho. As paisagens são deslumbrantes, contrastando com a palha amarela de quase toda a viagem até ali. Chegámos a Andorra por volta da hora do almoço.



Numa farmácia, recomendaram-me um baton factor oito, tal era o estado dos meus lábios. Fomos às compras: dois capacetes um saco de depósito, umas Adidas, a encomenda de uma calculadora científica para outro amigo e os acessórios para a moto do meu amigo. Para grande desilusão dele só havia duas peças para a GT por serem iguais às da 500cc pois o modelo 250cc não fora comercializado em Andorra. Lembro-me que uma das peças era a bicha do velocímetro. Dormimos duas noites em Andorra.



Em Andorra eu andava boquiaberto com as máquinas de duas rodas que em Portugal não se viam. Umas Yamaha´s XJ 1200 acabadas de lançar no mercado, num stand, deixaram-me pasmado. Porque precisaria alguém de tanta cilindrada numa moto?
Outro veículo que me deixou estupefacto foi uma scooter de três rodas (as duas atrás móveis) igual à daquele Securitas da Marina de Vilamoura.
No parque havia algumas motos. Tínhamos um “casal vizinho” francês que viajava numa Goldwing 1000cc dourada, atracada a um side-car BMW preto, do pós-guerra, que parecia a quilha de um barco. Nele viajavam os dois filhitos quase da mesma idade enquanto a mulher ia à pendura. Além capacete tipo jet, eu tinha comprado uma viseira nova para o meu AGV pelo que pus a velha em cima daquilo que me pareceu um saco do lixo encostado a um socalco. Quando o francês chegou da cidade reparei que colava, visivelmente satisfeito, com fita-cola larga a minha velha viseira a um dos capacetes abertos dos miúdos. Afinal o “saco do lixo” revelava-se a despensa do francês, à sombra do morro, que achou fantástico eu ter-me lembrado de lhe oferecer a viseira usada. Achou mais espantoso ainda termos ido numa 125 de tão longe quando descobriu que aquelas matrículas estranhas eram portuguesas. Segundo ele uma aventura comparável a um Paris-Dakar.

Regresso: Andorra – Madrid

Como o meu amigo tinha uns primos a morar em Lisboa, decidimos regressar passando por lá. Saímos de Andorra e volvidos meia dúzia de kms o meu Jet branquinho, novinho em folha, desenvencilhou-se da aranha que o aprisionava e toca às cambalhotas atrás da moto. Diagnóstico, arranhões profundos e um apoio da pala partido. Nunca mais foi o mesmo. Foi um dos primeiros Jet que vi em Portugal.



Chegámos a Madrid ao fim da tarde e aconteceu um episódio que podia ter tido consequências graves. Numa via de quatro faixas com arbustos no separador central mas que tinha cruzamentos com semáforos o meu companheiro de viagem que seguia cerca de 50 metros à minha frente “queimou” um vermelho. Eu achei que já seria arriscar demais passar também e travei para parar. Um camião articulado que me precedia tinha, pelos vistos, ideias de passar o vermelho. Ainda tenho na memória o urro dos pneus do camião atrás de mim. Olhei para o retrovisor e já só vi uma mancha vermelha, a preenchê-lo, era a cabine. Inclinei-me todo para a direita, para a berma, e o camião passou por mim com a galera vazia meia atravessada, envolta em fumo de pneu e com a esquina a meio metro de mim. Acabei por passar o vermelho, amarelo como a cera, com a moto numa mudança demasiado alta, aos soluços e o ajudante do camionista a insultar-me do piorio de fora da janela. Foi por muito pouco.
Decidimos contornar Madrid pela circular exterior. Depois daquele susto, circular a 100 km/h com carros pelos dois lados a mais de 150 km/h era para mim arrepiante. Lá passamos por baixo da bancada do Santiago Barnabéu, onde, nesse dia, jogava o Sporting contra o Real.
Anoiteceu. Depois de uns bocadillos de jámon e a cerveza da praxe achámos que seria bom aproveitar o fresco da noite para viajar menos preocupados com a saúde das nossas montadas. Deixáramos Madrid havia cerca de 30kms quando começou a chover. Mais difícil dormir na Estalagem Estrela ou no Hotel Valeta nestas condições. Parámos numa estação de serviço que, por sorte, tinha um resguardo em chapa para fazer sombra a carros. Pareceu-nos 5 estrelas para pernoitar ao abrigo da chuva. No meio de uns carros, uma moto de cada lado e esteira ao centro. Deitados, começámos a receber uns salpicos na cara. Como não tínhamos nenhuma goteira por cima de nós aquilo parecia estranho. Tratava-se afinal de uma pinga que batia no tejadilho de um dos carros mais acima, passava por cima de outro e ainda sobrava para nós. Toca a mudar de sítio. Já devidamente instalados tivemos ainda que fazer um rego na terra com as botas para desviar uma água que teimava em incomodar-nos. Lembro-me, a meio da noite, de acordar, olhar para a estrada que ficaria a uns 15 - 20m e de estar um Guardia Civil, fora da sua moto, a olhar fixamente para nós. Virei-me para o outro lado. Não nos importunou.
Tomámos o pequeno-almoço nessa estação de serviço e seguimos para Lisboa.
Apesar da chuva no dia anterior o calor era imenso durante o dia. Distraí-me com a gasolina e tive uma pane seca. A minha moto, apesar de só gastar 4 l/100 tinha o depósito pequeno e fazia, no máximo, 180kms. Vimo-nos no meio do nada sem nenhum recipiente com que pudéssemos fazer a trasfega de um depósito para outro do precioso líquido. Depois de muito vasculhar nas redondezas lá arranjámos um copo de iogurte ou coisa do género que deu para desenrascar. Mais à frente, dei conta que o meu depósito de óleo estava practicamente vazio pois já nem aparecia no visor. Não encontrámos na bomba seguinte o Shell Two Stroke, o óleo vermelho recomendado exclusivamente pela Suzuki. Só havia uma marca qualquer espanhola (mineral e de cor verde) e óleo sintético a cerca de 1000 Pts o litro. Dada a magreza do meu Pré militar (3.000$00/mês) lá teve a Suzuki que beber verde.



Chegámos à fronteira do meio para o fim da tarde. Lembro-vos que ainda havia fronteiras policiadas, que era preciso passaporte, tudo pagava direitos, impostos, etc. Conscientes destes excessos de zelo eu trazia as sapatilhas novas calçadas, o capacete novo na cabeça e a máquina de calcular que tinha sido bem “marralhada” em Andorra entre o depósito e o suporte do saco, num enchimento em espuma para suprir a falta de tamanho do depósito.
Foi uma tourada. O guarda fronteiriço deve ter-nos achado muito suspeitos. Dois gajos novos, de moto, a barba por fazer, os cabelos a precisarem de mudar o óleo e as calças de ganga com seis dias de uso intensivo também não abonavam em nada a nosso favor. Começaram as perguntas:
Têm alguma coisa a declarar? Não tínhamos. Os capacetes suplentes eram para as gajas? Ora abram lá as essas mochilas. Tirou tudo o que lá havia e que não passava de roupa suja a tresandar. Como não encontrou nenhuma substância ilegal, que parecia apostar que nós trazíamos, deixou-nos seguir.
Chegámos a Lisboa por volta da meia-noite e os primos dele ainda não tinham chegado. Como o meu amigo dormia lá muitas vezes por estar lá na marinha, tinha chave. Abrimos o sofá cama da sala e está a xonar. Eu estava tão esgotado que os primos chegaram às 3 da manhã e eu ainda tinha a mão no interruptor do candeeiro que desligara três horas antes.
Amigos, esta foi de facto uma viagem inesquecível e daquelas vivências que darão muito gozo contar aos netos mesmo correndo o risco de dar maus exemplos.
A esta distância algumas das circunstâncias e peripécias desta viagem podem parecer-nos inadmissíveis como: a ausência de planeamento, de equipamento adequado, de cuidado, de dinheiro, os insuficientes cuidados de higiene etc. Mas tudo isto tem que ser explicado à luz do seguinte contexto: tínhamos 22 anos de idade, eu ex escuteiro e com muitas noites ao relento, ambos no cumprimento do serviço militar onde eram rainhas as manobras e semanas de campo e nove anos após a revolução de Abril numa época em que, Portugal não vivia grandes luxos. Espero tenham conseguido viver um pouco esta nossa viagem...

Até sempre


=================================================================================================================

Cartão de Emergência do Motociclista

com4riding.blogspot.com
avatar
Asterix
1ª engrenada
1ª engrenada

Número de Mensagens : 132
Masculino
Idade : 39
Data de inscrição : 08/09/2011

A Mota
Marca Mota: Honda
Modelo Mota/ano: XL600V/1994
Kms: 37500 e a somar

Re: Andorra Agosto 1984

Mensagem  Asterix em Seg 07 Maio 2012, 22:35

Fantástico! Mais uma excelente viagem no tempo. Surpreende-me que já nessa altura tivessem o cuidado de fazer registos fotográficos para a posteridade. Hoje em dia com as máquinas digitais e com os TLM é banal mas nessa altura tirar fotos não era todos os dias. Valeu a pena!

avatar
dijm
5ª a Fundo
5ª a Fundo

Número de Mensagens : 927
Masculino
Idade : 38
Data de inscrição : 28/11/2010

A Mota
Marca Mota: Honda
Modelo Mota/ano: TA 6 centos
Kms: alguns mils

Re: Andorra Agosto 1984

Mensagem  dijm em Ter 08 Maio 2012, 16:58

Grande aventura, parabéns... (eu também ja foi a Andorra mas num 190 sem pré marcação, estava a jantar com um amigo e decidi que queria ir ver umas máquinas a Andorra isto á 12 anos atrás), grande ousadia naquela altura ja fotografar
avatar
DRAKER
5ª a Fundo
5ª a Fundo

Número de Mensagens : 1245
Masculino
Idade : 41
Data de inscrição : 04/09/2011

A Mota
Marca Mota: Honda
Modelo Mota/ano: Varadero 2000
Kms: 24000

Re: Andorra Agosto 1984

Mensagem  DRAKER em Ter 08 Maio 2012, 20:37

Parabens Rui,

Mais uma grande aventura, para um dia contar aos netos Laughing

Venham mais!
avatar
TrAnsAlper
Admin
Admin

Número de Mensagens : 8261
Masculino
Idade : 44
Data de inscrição : 11/09/2007

A Mota
Marca Mota: Honda
Modelo Mota/ano: Ex-TrAnsAlp XL 650 V
Kms: 63.000

Re: Andorra Agosto 1984

Mensagem  TrAnsAlper em Qua 09 Maio 2012, 09:39

Excelente!

Uma crónica old-school, como eu gosto.Wink

Rui, eu já tinha visto esta crónica algures.Ajuda-me lá.Numa revista de motos?Noutro fórum?

Em todo caso deliciei-me a reler.



Um abraço e boas transalpadas


=================================================================================================================

   Ondavis-Viseu
"Não sei para onde vou mas estou a caminho!"
avatar
Tecedeiro
1ª engrenada
1ª engrenada

Número de Mensagens : 178
Masculino
Idade : 33
Data de inscrição : 10/02/2012

A Mota
Marca Mota: Honda
Modelo Mota/ano: XL600V/1992
Kms: A contar...

Re: Andorra Agosto 1984

Mensagem  Tecedeiro em Qua 09 Maio 2012, 11:58

Se agora seria uma aventura daquelas, nesse tempo nem imagino..

Adorei ler a crónica. Para quem tinha nascido há 8 meses quando isto aconteceu, ao ler consegue-se viver a aventura e o contexto.

Obrigado pela partilha Wink


=================================================================================================================



avatar
Jardel
3ª engrenada
3ª engrenada

Número de Mensagens : 360
Masculino
Idade : 39
Data de inscrição : 08/03/2010

A Mota
Marca Mota: Honda
Modelo Mota/ano: TA700/2009
Kms: 43000

Re: Andorra Agosto 1984

Mensagem  Jardel em Qua 09 Maio 2012, 13:50

muito bom...

mais uma aventura, mais uma voltinha!!!!
avatar
Rui Faria
1ª engrenada
1ª engrenada

Número de Mensagens : 169
Masculino
Idade : 54
Data de inscrição : 25/04/2012

A Mota
Marca Mota: Honda
Modelo Mota/ano: XL 600 V 1996
Kms: 20 mil

Re: Andorra Agosto 1984

Mensagem  Rui Faria em Qua 09 Maio 2012, 20:40

TrAnsAlper escreveu:Excelente!

Uma crónica old-school, como eu gosto.Wink

Rui, eu já tinha visto esta crónica algures.Ajuda-me lá.Numa revista de motos?Noutro fórum?

Em todo caso deliciei-me a reler.



Um abraço e boas transalpadas

Obrigado uma vez mais por todos os elogios, exagerados com certeza.
Podes ter visto estas crónicas em 2 fóruns: No extinto VDM ou no herdeiro Motos & Destinos, ou ainda numa Motociclismo de 2010. Wink


=================================================================================================================

Cartão de Emergência do Motociclista

com4riding.blogspot.com
avatar
TrAnsAlper
Admin
Admin

Número de Mensagens : 8261
Masculino
Idade : 44
Data de inscrição : 11/09/2007

A Mota
Marca Mota: Honda
Modelo Mota/ano: Ex-TrAnsAlp XL 650 V
Kms: 63.000

Re: Andorra Agosto 1984

Mensagem  TrAnsAlper em Qui 10 Maio 2012, 08:35

Rui Faria escreveu:
TrAnsAlper escreveu:Excelente!

Uma crónica old-school, como eu gosto.Wink

Rui, eu já tinha visto esta crónica algures.Ajuda-me lá.Numa revista de motos?Noutro fórum?

Em todo caso deliciei-me a reler.



Um abraço e boas transalpadas

Obrigado uma vez mais por todos os elogios, exagerados com certeza.
Podes ter visto estas crónicas em 2 fóruns: No extinto VDM ou no herdeiro Motos & Destinos, ou ainda numa Motociclismo de 2010. Wink

Confirmo! Foi em ambos.

Mais uma vez obrigado. Os elogios não são exagerados. É bom existirem este tipo de crónicas para ao menos preservar um espírito que infelizmente tem tendencia a desaparecer no mundo motard.



Um abraço e boas transalpadas.


=================================================================================================================

   Ondavis-Viseu
"Não sei para onde vou mas estou a caminho!"

Conteúdo patrocinado

Re: Andorra Agosto 1984

Mensagem  Conteúdo patrocinado


    Data/hora atual: Sex 21 Jul 2017, 12:30